Nome *
Data de Nascimento *
dia-mês-ano
E-mail *
Telefone *
Username *
Password * (duas vezes)

Mínimo 6 caracteres e sem espaços

Morada
Código Postal
Localidade
Profissão
Contribuinte
 

* Campos de preenchimento obrigatório




Confidencialidade
Siga-nos
Topo

A culpa é da minha health coach II

Treinar o bem-estar. Lição #2

Saí da primeira sessão com a minha health coach com trabalho de casa: fazer um diário alimentar e registar tudo o que como, sem esquecer de mencionar como me sinto. Ufa! Tarefa difícil. Registei tudo nas notas do telemóvel, para ser mais fácil (mas se preferir, há inúmeras aplicações para este fim), e tentei ser o mais precisa possível (isso implicou não omitir aqueles devaneios que nos fazem corar de culpa até às orelhas!).

Esta árdua, mas simples, tarefa faz toda a diferença. Só assim temos a verdadeira noção do que ingerimos ao longo do dia. Só assim consegui prestar a devida atenção a alguns sinais do corpo em reação aos alimentos (ou à falta deles). Só assim descobri a importância de ter consciência do bem-estar nos vários momentos do dia. Sei que tenho frequentes dores de cabeça, culpa da sinusite, há já vários anos, mas não tinha noção de que eram tão constantes, dia após dia. Simplesmente porque deixei de tomar consciência.

Além do diário alimentar, há ainda um questionário que Teresa nos pede para preencher e onde resumimos um pouco de tudo: hábitos, preocupações, objetivos. É uma espécie de ficha de cliente, onde mais uma vez, somos obrigadas a prestar atenção, tomar consciência, olhar para trás e para nós.

“Gostaria de ter outro peso?”, “quais são as suas principais preocupações no que se refere à sua saúde?”, “dorme bem?”, “como é a sua alimentação num dia normal?” são algumas das perguntas do questionário. Até parecem simples, mas agora experimente responder a estas: “quantidade de lacticínios que consume por dia e quais?” ou “quantidade de doces que consume por dia?”. Conseguiu responder quase sem pensar? Tente fazer um diário alimentar durante alguns dias e cruzar os resultados. Eu tive algumas surpresas.

Não, o meu objetivo não é ter outro peso. É antes tomar consciência da alimentação, prestar-lhe a devida atenção. Comer melhor, saber o que comer, conhecer o que estou a comer, organizar-me sem passar a alimentação para quarto ou quinto plano. Reajustar estas energias para um bem-estar geral.

Atualmente, Teresa tem disponíveis dois programas de coaching: ‘Comer, mudar e amar’, centrado na alimentação (€120 por mês, durante três meses); e o de antienvelhecimento (€150 por mês, durante quatro meses) área em que se especializou recentemente. Mas cada programa é pensado e planeado de forma personalizada e ajustada às necessidades de cada pessoa.

Afinal, o bem-estar treina-se. E o meu treino já tinha começado.

Lição #2: tomar consciência e prestar atenção.

Amanhã conto-lhe o que se seguiu.

Veja mais em R3dação

PUB