[wlm_register_Passatempos]
Siga-nos
Topo

Mulheres com Atitude: Raquel Poço Jewellery, de Raquel Poço

A Raquel Poço Jewellery nasceu de um hobby. Raquel trabalhava como professora de Pilates e decidiu tirar um curso de joalharia de forma a se entreter. Começou por fazer peças para si, até que as suas amigas, alunas e família interessaram-se e quiseram comprar alguns modelos. “Foi aí que comecei a pensar que poderia ter a minha marca, sem pensar muito onde me levaria”, conta-nos Raquel.

Raquel Poço Jewellery

Na Raquel Poço Jewellery as peças são imaginadas e feitas por Raquel em prata 925 e prata 925 com banho de ouro. Dos colares aos brincos, a fundadora conta-nos que os favoritos do público são o colar coração nas mãos, o colar letras, os brincos aimi, o anel Yuri,os brincos santos, a pulseira naru, os brincos naomi e o anel barreira.

Com preços entre os €25 e os €170, pode adquirir qualquer uma das peças na loja online, em raquelpocojewellery.com, ou na loja física, que fica na Rua Gonçalves Crespo, 52, 1150-098 Lisboa. 

Com os pés sempre bem assentes na terra, Raquel conta-nos que a sua missão é que “as pessoas se sintam mais bonitas e que desta forma tenham mais confiança no seu dia a dia”. 

Por detrás de um grande projeto, está uma grande mulher

Raquel Poço

Raquel Poço

Raquel Poço tem 35 anos e é licenciada em fisioterapia. Foi professora de pilates e trabalhou com doentes neurológicos – um dos seus grandes objetivos. Infelizmente, teve uma lesão que fez com que se despedisse desse emprego, que achava que seria para sempre. Hoje em dia, concilia a sua marca de joalharia com umas horas de fisioterapia, pois conta-nos realmente adorar a parte humana que esta profissão lhe traz.

Tornar-se numa mulher empreendedora foi algo que Raquel nunca pensou, aconteceu de forma natural.  E apesar de não ser fácil exercer numa área em que o seu trabalho está sempre a ser escrutinado pelos outros, a jovem tenta levar cada desafio com calma e ponderação e acreditando na marca sinto que tudo é possível”.

Nunca tinha desejado ter uma marca minha, nunca tinha pensado em fazer um curso de joalharia com o objetivo de criar uma marca. Venho da área da saúde (fisioterapia) e na verdade tudo o que queria quando acabasse o curso era ter um contrato (risos). Ainda bem que a vida se encarregou de dar uma volta e que estou onde estou.”

 A incerteza, o acumular de tarefas e a tomada de decisões, que muitas vezes não sabe se são as mais acertadas, são apontadas como as principais preocupações de Raquel: “Amo o que faço e acordo todos os dias feliz por fazer o que gosto, mas claro que há alturas em que as vendas não são tão boas como gostaríamos ou outras muito stressantes porque não consigo chegar a todo o lado e são muitas as tarefas para uma pessoa só.”

E o que é que o futuro reserva?

Para o futuro, Raquel quer ver a sua marca crescer e chegar a mais pessoas. Deseja que conheçam e apreciem o seu trabalho. “Adorava que se identificassem com o simples e orgânico das minhas peças, com as formas e texturas”, conclui.

Veja mais em Pessoas

PUB