[wlm_register_Passatempos]
Siga-nos
Topo

Semana da Moda de Madrid: dia 2

Vim até à capital espanhola, onde está a decorrer a 62.ª edição da Mercedes-Benz Fashion Week Madrid, e, depois das emoções do primeiro dia do evento, aqui fica o resumo do segundo.

Sábado, 19 de setembro

Madrid acordou com muito sol, que fez jus ao primeiro desfile do segundo dia da Semana da Moda da capital espanhola. Moises Nieto, um dos designers mais talentosos da sua geração, trouxe-nos ‘Sea, Sun and Sex’, uma coleção inspirada no estilo de vida ‘caliente’ de Torremolinos, na Costa do Sol, perto de Málaga.

Celebrámos o verão, a brisa do Mediterrâneo, o calor e as ‘pool parties’. Celebrámos os anos 60, época de ouro do cinema e da moda, que nos deu a conhecer personalidades como Edie Sedgwick, Twiggy, Brigitte Bardot e Jean Shrimpton.

Qualquer destas mulheres poderia vestir os coordenados que Nieto apresentou: tops curtos de cores vivas combinados com coulottes ou saias-lápis; túnicas de lantejoulas brilhantes, que tanto podiam ser usadas sobre a pele ou sobre vestidos-camiseiro às riscas; tops compridos combinados com minissaias em tons de rosa pastel; vestidos e casacos estruturados em neopreno.

Os acessórios, como os brincos grandes de cores vivas e de formas geométricas e as carteiras de tiracolo em pele, complementaram os coordenados na perfeição.

De Torremolinos, viajámos até ao Japão, com Ulises Mérida a guiar-nos numa visita à literatura nipónica. O ponto de partida foram os haikus, os poemas tradicionais japoneses de 17 sílabas, que são, na sua génese, uma reação estética minimalista face à crescente consciência humana do caos.

Assim foi a colecão de Mérida: simples e minimal, sem estampados, sem muitas variações de cor e com pouca diversidade ao nível das peças apresentadas: apenas vestidos, túnicas e calças, não fugindo muito das anteriores criações do designer.

As duas coleções seguintes seguiram a mesma linha minimalista, mas com registos diferentes. Tanto Roberto Torretta como Juanjo Oliva vestiram a mulher atual com peças elegantes, sofisticadas e inquestionavelmente femininas. Transparências, rendados e assimetrias são as palavras-chave da coleção de Torretta.

Juanjo Oliva percorreu todas as cores do arco-íris. Segundo o designer, “a cor relaciona-se com reações visuais e emocionais, que podem ser perfeitamente comuns ou absolutamente extraordinárias”. Para uns, uma coleção entediante: afinal de contas, Oliva só apresentou vestidos, quase todos eles neutros. Para mim, foi uma coleção bonita.

Ao som de uma remistura da música ‘Breathe Me’, da cantora Sia, e de ‘Always on My Mind’, dos Pet Shop Boys, Ana Locking apresentou as suas propostas para a primavera-verão 2016.

Momentos antes do desfile, a designer confessou-nos que esta coleção era um reflexo do seu lado mais sensível. Entendi o que quis dizer: as transparências e as rendas injetaram uma boa dose de feminilidade na coleção, a par das cores suaves, como o rosa-pastel, o bege e o branco.

Mais do que ter revelado o lado delicado de Ana, ‘Foreva’ colocou a descoberto o talento da designer para a confeção de peças ricas em pormenores minuciosos e em texturas contrastantes. O melhor? A mistura de tecidos leves e românticos, como a seda e a organza, com materiais mais tecnológicos, como o neopreno. Uma combinação improvável que se revelou uma fórmula de sucesso!

Não perca amanhã o resumo dos próximos dias da Mercedes-Benz Fashion Week Madrid e acompanhe a nossa cobertura fotográfica do evento no Instagram.

Imagem de destaque: Moises Nieto primavera/verão 2016 © Getty Images.

Veja mais em R3dação

PUB