[wlm_register_Passatempos]
Siga-nos
Topo

Semana da Moda de Madrid: dia 3

Domingo, 20 de setembro

Acordei cedo, sem precisar de despertador, e preparei-me para enfrentar o longo dia que teria pela frente. A manhã estava reservada para uma ida ao museu Thyssen-Bornemisza, onde pude ver a exposição ‘Vogue like a painting’.

Esta exposição, composta por mais de 60 fotografias captadas por alguns dos mais conceituados fotógrafos de moda de todos os tempos – como Horst P. Horst, Irving Penn, Patrick Demarchelier, David Sims e Mert Alas & Marcus Piggott – explora a estreita ligação entre a fotografia de moda e a pintura.

Vi exemplos de retratos inspirados em várias correntes artísticas mas também fotografias que chegam mesmo a ser referências diretas a obras de arte largamente conhecidas, como o retrato de Erwin Blumenfeld inspirado na ‘Rapariga com o Brinco de Pérola’, de Vermeer.

Se estiver por Madrid, ou se planeia visitar a cidade em breve, não deixe de ver esta exposição temporária, patente até 12 de outubro (entrada: €7).

Próxima paragem: pavilhão da IFEMA. Cheguei mesmo a tempo do desfile de Davidelfin, agendado para as 12h30. Nesta semana da moda, os atrasos são raros. À hora do desfile já os cenários estão montados, já toda a imprensa e convidados estão sentados nos seus lugares e já as modelos estão prontas para cruzar a parede que separa os bastidores da passerelle.

Ainda bem que assim é! Este é um dos muitos pontos que abonam a favor da Mercedes-Benz Fashion Week Madrid. Não há aquela correria nem azáfama que geralmente associamos às semanas da moda.

Aqui tudo se faz com calma. Entre os desfiles há pausas de uma hora e meia, às vezes de duas horas, e, nesse período, os designers conseguem vestir e calçar calmamente as manequins, que seguem depois para a sala de beleza, onde são maquilhadas e penteadas.

Davidelfin apresentou ‘Psoas’, uma coleção muito coesa inspirada no exercício físico e no desporto. O designer saiu da obscuridade que caracterizaram as propostas do outono/inverno 2015, e trouxe, sem medos, a cor de volta à passerelle.

O primeiro coordenado, um vestido comprido com um padrão de riscas em tons de verde, vermelho, rosa, branco e preto, foi o cartão de visita para uma coleção que se pautou por peças estruturadas, geometrias, folhos e, claro, muitas referências sporty. Adorei!

Horas mais tarde, foi a vez de Teresa Helbig dar a conhecer as suas sugestões para a próxima estação. Da junção de dois países distintos nasceu ‘Chinoiserie’, uma coleção inspirada, por um lado, nos tecidos delicados e nos padrões florais do Oriente; e, por outro, nos vestidos da alta-costura francesa.

Ion Fiz protagonizou o momento alto do dia. Montado à entrada da passerelle estava um imponente piano de cauda preto que serviu de instrumento ao compositor e pianista Juan Antonio Simarro.

As primeiras notas musicais fizeram-se ouvir ainda com as luzes apagadas, que só se acenderam quando a primeira manequim entrou na sala. Na cara, trazia uma máscara de baile, e na mão uma outra, que colocou sobre o rosto do pianista.

Ion Fiz, que a cada seis meses apresenta as suas coleções em Madrid e em Paris, trouxe para a passerelle uma mescla de roupas, entre vestidos de noite, compridos e vaporosos, camisas transparentes que deixam antever uma lingerie rendada muito sensual, saias plissadas e assimétricas e tailleurs modernos.

María Lemus e Víctor Alonso, os criadores responsáveis pela marca María Ke Fisherman, encerraram o dia com um desfile que evocou a cultura urbana e as raves dos finais da década de 80.

‘Replica’, a coleção que os designers apresentaram, assinalou a estreia de María Ke Fisherman na passerelle principal do evento. Ainda que se trate de uma marca relativamente recente, criada em 2009, María Ke Fisherman já conta com um público fiel de admiradores, entre os quais se destacam celebridades como Lady Gaga, Miley Cyrus e Nicki Minaj.

Foi ao som altissímo de um acid house ao estilo de The Prodigy que fiquei a conhecer as propostas irreverentes e procovatórias desta dupla de designers: vi tops curtos e justinhos serem usados sobre vestidos largos e assimétricos; vi gargantilhas de crochet ao pescoço, kimonos e calças XXL com recortes, ténis desportivos com mais de 12cm de plataforma e a palavra ‘réplica’ estampada em algumas peças, em jeito de contestação às tendências que pautam o atual universo da moda.

Veja também alguns dos coordenados do primeiro e segundo dia da Semana de Moda madrilena.

Imagem de destaque: María Ke Fisherman, primavera/verão 2016 © Getty Images.

Veja mais em R3dação

PUB